Indústria

COMPARTILHE

Indústria vai usar novo estudo da FGV em defesa do modelo ZFM

Parte dos pesquisadores envolvidos no trabalho eram críticos do modelo e o estudo foi decisivo para a mudança de opinião dos especialistas

Por Redação

08 Fev 2019, 18h05

Crédito: Walter Mendes/Acervo JC

As conclusões de um estudo inédito da Fundação Getúlio Vargas (FGV) sobre os resultados alcançados e a importância da Zona Franca de Manaus (ZFM) para o Brasil deverão ser utilizadas para defender o modelo e suas excepcionalidades. A afirmação foi feita durante os discursos proferidos na 1ª Reunião Ordinária de 2019 da Diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), ocorrida na noite da quinta-feira (7), no auditório da entidade.

O superintendente da Suframa, Appio Tolentino, representou a autarquia no evento conduzido pelo presidente da Federação, Antonio Silva, e que contou ainda com o governador do Amazonas, Wilson Lima, parlamentares, autoridades militares e representantes de diversos segmentos econômicos da indústria, comércio e agropecuário do Estado.

Durante a reunião, representantes do setor produtivo manifestaram preocupação com o futuro do modelo, tendo em vista fatores como: a diretriz liberal da equipe liderada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes; a visão externa equivocada pela qual o modelo é tido apenas como gerador de um débito anual de R$ 24 bilhões em renúncia fiscal; e a reforma tributária contendo propostas como a criação de um único imposto federal, o que poderia retirar vantagens comparativas da ZFM.

O governador do Amazonas informou que, na manhã da quinta-feira (07), teve acesso a um estudo da FGV, encomendado por diversas entidades, e que deve ser divulgado nas próximas semanas. Conforme Wilson Lima, entre várias conclusões positivas sobre a ZFM, o estudo mostra que as renúncias fiscais são compensadas pela arrecadação de impostos federais no Estado, além de garantir outros resultados socioeconômicos e ambientais.

“Nós precisávamos de uma chancela dessa para provar o que a gente já sentia no dia a dia e o que a gente entendia de importância da Zona Franca de Manaus. É impressionante a evolução que os gráficos mostram, o progresso que o Amazonas teve desde a década de 60 até 2010 quando se tem números para fazer esse processo de comparação. O quanto a gente subiu de renda per capita é maior do que qualquer outro Estado do Brasil, o quanto o modelo Zona Franca de Manaus protegeu a nossa floresta e o quanto trouxe desenvolvimento para as pessoas que moram nessa região”, detalhou o governador.


Outra conclusão importante do estudo, frisou Wilson Lima, é que não seria viável para o Estado aceitar qualquer alteração no escopo de incentivos para o modelo, pois a perda impediria ao Estado ter capacidade para diversificar sua matriz econômica. “A Zona Franca é imprescindível para que possamos diversificar nossas atividades econômicas e identificar outras fontes de riqueza. Nós não podemos abrir mão dela agora porque não temos outras alternativas e porque sem ela não teremos base para desenvolver outras atividades econômicas”, disse o governador.

Sem vitimismo

Durante seu discurso, o presidente executivo da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros), José Jorge do Nascimento Junior, também deu detalhes sobre o estudo da FGV sobre a ZFM. De acordo com o executivo, parte dos pesquisadores envolvidos no trabalho eram críticos do modelo e o estudo foi decisivo para a mudança de opinião dos especialistas.

“Na discussão sobre a ZFM, temos que mudar nossa postura. Temos que parar com discursos vitimistas e de que somos um Estado pobrezinho. Esse estudo traz dados e conclusões embasadas que confirmam o que os técnicos da Suframa já afirmavam: a ZFM é importante não só para a região, mas também para o Brasil. Por isso, temos que estar preparados tecnicamente e unidos politicamente para fazer o País entender isso”, salientou o presidente da Eletros, destacando que um resumo do estudo já foi apresentado para secretários do Ministério da Economia.

Para José Jorge Júnior, por não ser vantajoso para o Estado e para o Brasil, o Amazonas não pode aceitar negociar reduções das vantagens tributárias da ZFM, por melhor que pareça ser a contrapartida oferecida. “Não vale a pena concordar com reduções de garantias legais da ZFM pelo asfaltamento da BR-319, pela promessa de instalação de indústrias de fármacos e cosméticos, por exemplo”, destacou.

Vias do DI

Na oportunidade, o superintendente da Suframa explicou aos empresários e autoridades presentes os detalhes do projeto de revitalização das vias do Distrito Industrial. Tolentino destacou a parceria entre as equipes técnicas da autarquia e da Prefeitura de Manaus na avaliação do projeto técnico e a preocupação de evitar futuras ressalvas dos órgãos de controle. “Neste momento, o processo está com a Prefeitura que está conduzindo a etapa da licitação. A SUFRAMA voltará a atuar no projeto na fase de fiscalização das obras”, afirmou.
 

 

Veja Também

Frente & Perfil

FGV reforça Zona Franca de Manaus

09 Feb 2019, 17h50
Frente & Perfil

Política segura a Suframa

12 Feb 2019, 09h33
Follow-Up

ZFM: a conquista da competitividade

07 Feb 2019, 09h14