Opinião

COMPARTILHE

Impostos massacram o proletariado

O tempo passou e a coisa toda só piorou. E muito!! Mudaram as coleiras, mas a cachorrada continua a mesma

Por Reginaldo Oliveira

06 Fev 2019, 15h45

Crédito: Divulgação

No período medieval os servos eram obrigados a engolir uma série de taxações impostas pelos senhores feudais, tais como: Ajudadeira, Anúduva, Banalidade, Corveia, Formariage, Talha, Capitação, Censo, Taxa de Justiça, Mão Morta, Albernagem, Tostão de Pedro, Fossadeira, Miunças etc. A queda do império romano resultou na formação de unidades territoriais autônomas administradas com mão de ferro por governantes tiranos que exploravam camponeses e outros trabalhadores tutelados pelos seus domínios. As pessoas trocavam a liberdade pela proteção das muralhas e dos exércitos que garantiam salvaguarda contra ataques de invasores. Esse amparo concedido pelo senhor da terra acabava ficando tão caro que os tutelados sucumbiam a um destino de servidão eterna.

O governante arrancava praticamente tudo daqueles que extraíam as riquezas do seu esforço e das suas habilidades intelectuais. Por isso é que a massa populacional era extremamente pobre enquanto os parasitas da nobreza se esbaldavam na luxúria e na depravação. Séculos mais adiante, na França, os nobres e o clero não pagavam impostos. Luiz XIV dizia o seguinte: “Quero que o clero reze, que o nobre morra pela pátria e que o povo pague”. Novamente, e como sempre, uma casta de parasitas se apropriava do suor e do sacrifício do povão que trabalhava até morrer para pagar impostos. A coisa chegou num ponto tal que os espoliados se rebelaram e em seguida cortaram a cabeça do rei.

O tempo passou e a coisa toda só piorou. E muito!! Mudaram as coleiras, mas a cachorrada continua a mesma. No Brasil colônia, a carga tributária de 20% era tão extorsiva que culminou na separação da metrópole portuguesa, sendo que, atualmente, nós pagamos dois quintos dos infernos para um governo faminto e voraz por dinheiro. Ou seja, o peso sofrido pelos nossos ancestrais era metade do que suportamos atualmente. Isso explica o fato de sermos tão empobrecidos. O atual grande poder democrático abocanha quase tudo que produzimos com o suor do nosso trabalho. O brasileiro comum trabalha, trabalha, trabalha para ter uma vidazinha medíocre e limitada. O trabalhador brasileiro é obrigado a trocar uma casinha fuleira por uma vida inteira de muito sacrifício. E no final de tudo tem que viver com uma aposentadoriazinha mixuruca que o governo quer acabar com a reforma da previdência.

Como no passado, como agora e como sempre, temos estabelecido o mesmo modelo feudal e também a reprodução das cortes europeias. Isto é, temos uma casta de privilegiados distante anos-luz daqueles que vivem nos porões da pirâmide social. Como no regime feudal, os trabalhadores espoliados se matam para produzir a riqueza que vai direto para o bolso do funcionário público que inicia a carreira com rendimentos de 30 mil reais. O operário que cava buraco debaixo dum sol escaldante tem quase todo o seu salário surrupiado pelos impostos que vão sustentar o luxo do desembargador que ganha meio milhão por mês.

Somos empobrecidos porque o governo leva quase tudo e mesmo assim nunca tem dinheiro pra nada. A saúde está em frangalhos, a segurança pública mergulhou num caos absoluto e as instituições estão solapadas por uma completa desordem administrativa. E tudo por falta de dinheiro, no país que possui uma das mais altas cargas tributárias do mundo.

O trabalhador brasileiro tem quase que metade do seu salário abocanhado pela previdência e pelo imposto de renda. Isso acontece quando se compara o custo do empregador com o saldo líquido do contracheque. Em seguida, o mesmo governo engole novamente metade do que sobra na forma dos tributos escondidos nos produtos consumidos pela população. Isso, sem contar a infinidade de taxas cobradas por diversos órgãos públicos. Resumo da ópera: tamo ferrado e mal pago.

Esse cidadão brasileiro é bombardeado por 93 impostos que explodem diariamente sobre sua cabeça. Cada passo, cada respiração, cada gesto, cada movimento é acompanhado de algum tributo. É taxa na conta da luz, da água, do telefone, do cartório, do banco, do detran, da prefeitura, da Sefaz, da receita federal. É imposto quando ganha, é imposto quando gasta, é imposto quando nasce, é imposto quando morre, é imposto quando tudo. Pra onde vai tanto dinheiro? Curta e siga doutorimposto

*Reginaldo de Oliveira é consultor empresarial, palestrante, professor do ensino superior e especialista em capacitação profissional nas áreas de ICMS Básico e ICMS Substituição Tributária - E-mail: doutorimposto@hotmail.com / BLOG: www.doutorimposto.com.br 

 

Veja Também

Artigo

Mude!

06 Feb 2019, 16h03