Pet

COMPARTILHE

Estabelecimentos limitam acesso de pets

Pet friendly? Parece que Manaus não é tão amistosa assim com os bichinhos de estimação

Por Andreia Leite @andreiasleite_ Twitter @JCommercio

08 Set 2019, 10h32

Crédito: Divulgação

Utilizado para caracterizar os lugares onde os animais de estimação são bem-vindos, o termo Pet Friendly se tornou conhecido em muitos estabelecimentos. Bares, shoppings, supermercados e até restaurantes que apostam nesse nicho e oferecem estrutura e serviços para esses bichinhos. Mas a medida ainda causa polêmicas e sofre resistência em alguns espaços na capital.

A profissional de marketing, Saskya Canizo, 39, observa essa barreira toda vez que precisa precisa ir até alguns locais específicos em que a entrada do animal é proibida. Considera uma dificuldade grande porque quando está com os seus cães, precisa fazer tudo correndo porque deixa eles no carro.

“Não entendo o motivo, meus cães são de pequeno porte. Há alguns locais como o horti qualy, por exemplo que permite animais dentro de carrinhos específicos para os cães”. 

Ela lembra que o mercado precisa crescer muito mais e que essas iniciativas são mais que bem-vindas. Ela ainda sente falta desse tipo de serviço no dia a dia: em drogarias, supermercados. “Ainda existe essa dificuldade porque a grande maioria desses ambientes não permite a presença do animal”, ressaltou.

Quem também passou pela mesma situação foi a jornalista, Islânia Lima, que foi abordada por um segurança de um hipermercado na capital, ela estava com a filha, que na ocasião, levava um porquinho da índia e foi surpreendida com a recusa. “Eu tive que deixar a minha filha na porta do supermercado e eu entrei sozinha. Foi uma situação constrangedora.. Um animal dócil e super inofensivo. Foi bem desconfortável.Tanto para mim, quanto para ela que é uma criança”,comenta.

A servidora pública, Danielle Feitoza, 41, também não teve uma experiência muito boa quando resolveu ir num estabelecimento e levar o pet. Ela declara que quando as pessoas cruzavam com ela e o cachorro comentavam que devia ser proibido a presença de animais no local. “Eu acho que o ser humano ainda precisa evoluir muito em pensamento e atitude. Chega ser irônico que o avanço tecnológico e um mundo de informação você se depara com piadinhas nesse sentido”. 

Em meio a criticas e algumas polêmicas, a jornalista, Mayana Tomaz, teve uma grata surpresa quando precisou fazer compras no supermercado e estava com o cãozinho. No primeiro momento, ela já estava pensando em levar o cachorro para casa e retornar para o local, mas por insistência da filha acabou levando ele junto “Ao chegar no local pedi para minha filha ficar o cachorro do lado de fora. Eu achei que eles fossem proibir a entrada. Mas um dos funcionários chegou até mim e falou que eu poderia entrar sem problema nenhum com o meu cachorro. Então, nós fizemos as compras e não só permitiram entrar com o cachorro, como nos trataram muito bem e a proprietária ainda estava acariciando o cachorro e perguntando a raça. Conseguiram me cativar ainda mais com essa atitude”.

Para deputada estadual Joana Darc (PR), ativista da causa animal e protetora dos animais, hoje as famílias multiespécie já são uma realidade. E o mercado Pet está em ascensão contínua. Por isso ela acredito que é de suma importância que os espaços comerciais possam se adaptar a essa nova realidade. “Hoje já temos alguns centros comerciais, inclusive aqui na nossa cidade, que aceitam a presença de pets sem nenhum problema, tudo seguindo normas e regras de boa convivência e sempre respeitando a todo".

Liberação é tímida

A prática Pet Friendly ainda é tímida nos supermercados e hipermercados da capital, o Jornal do Commercio tentou contato com alguns estabelecimentos, mas sem sucesso. 

Conforme o Código Sanitário Municipal e a Resolução 216 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) é proibida a permanência de animais em estabelecimentos onde se manipulem, prepararem ou comercializem produtos alimentícios e bebidas como é o caso do supermercado Roma e do Pátio Gourmet.

No caso de alguns ambientes como restaurantes e bares no Amazonas que oferecem esse tipo de serviço, a presença deles é permitida em ambientes abertos. Essa realidade Pet Friendly também se estende para hotéis e outros estabelecimentos.

Veja Também