Opinião

COMPARTILHE

Conab só beneficiou 192 extrativistas em 2018

O certo é que esses extrativistas não podem ficar de fora da PGPMBio

Por Thomaz Meirelles

27 Jun 2019, 09h32

Crédito: Divulgação

Estamos na Semana dos Orgânicos. A abertura aconteceu no último domingo com a realização de uma feira na Ponta Negra. Portanto, entendo que é o momento exato para encontrar caminhos para beneficiar o nosso extrativista com a Política de Garantia de Preços Mínimos da Sociobiodiversidade - PGPMBio, ou seja, ampliar o acesso à essa política que nasceu para beneficiar o povo que preservou a floresta ao mundo, que garante saúde do planeta, e que não usa qualquer tipo de agrotóxico, defensivo agrícola ou veneno, como queiram chamar.

O certo é que esses extrativistas não podem ficar de fora da PGPMBio, mas infelizmente a gigantesca maioria está. Os números divulgados pela Conab mostram essa dura realidade que precisamos mudar.  Aceitar, passivamente, o péssimo desempenho do ano passado (2018) é, no meu ponto de vista, tirar a esperança de quem preservou a floresta, é tirar a esperança de quem precisa ter um melhor rendimento, uma vida melhor. Sempre tenho mostrado que o preço de mercado está abaixo do mínimo fixado pelo governo federal. Nem vou me aprofundar na injustiça de que esse preço equivale somente ao custo de produção. Deveria ter um plus ambiental, mas ainda não tem, e os que deveriam defender essa bandeira ambiental estão calados.

Então, o extrativista precisa receber a diferença entre o preço de venda e o preço mínimo no momento de negociar a borracha, buriti, cacau, piaçava, açaí, andiroba, isto é, precisa receber a subvenção federal da PGPMBio. Recentemente, a Conab/Brasília divulgou os números de 2018 em todo o Brasil e, nele, os do Amazonas. Uma tristeza! Apenas 192, são eles:

  • Será que só temos 119 seringueiros no Amazonas? Lógico que não...
  • Será que só temos 17 extrativistas de buriti no Amazonas? Lógico que não...
  • Será que só temos 20 piaçaveiros no Amazonas? Lógico que não...
  • Será que só temos 12 extrativistas de açaí no Amazonas? Lógico que não...
  • Será que só temos 24 extrativistas de andiroba no Amazonas? Lógico que não...

Nós ainda temos milhares de extrativistas no Amazonas, então, não faz sentido esses números, não faz sentido algum somente atingir somente 192 sabendo que não estão recebendo sequer o custo de produção. Um absurdo! O próprio site da Conab vem informando que os preços de venda estão abaixo do mínimo fixado pelo Governo Federal. Sei que não é fácil  operar essas políticas no gigante Amazonas, mas não debater esses números, não ter uma ampla discussão para encontrar um caminho para reverter esse quadro, não cobrar das ONGs um maior esforço na identificação desse público, não ser pauta na Assembleia Legislativa, não ser pauta na bancada federal entendo não ser justo com o cliente da PGPMBio: o extrativista.

Por que só o modele econômico do PIM/ZFM entra em pauta? Deveria ter um mutirão para fortalecer o extrativismo no Amazonas, na Região Norte. A Semana dos Orgânicos poderia debater esse assunto, esse baixíssimo desempenho do Governo Federal. Não podemos desperdiçar essa ótima política idealizada e criada no governo do PT, do presidente Lula. Não sou do PT, mas não posso deixar de reconhecer essa boa ferramenta de apoio à comercialização que ainda não estamos sabendo aproveitar. Essa política tá completando 10 anos. Esse desempenho NÃO pode continuar!

*Thomaz Antonio Perez da Silva Meirelles é servidor público federal aposentado, administrador, especialização na gestão da informação ao agronegócio. E-mail: thomaz.meirelles@hotmail.com 

Veja Também

Artigo

Quasímodos tributários

27 Jun 2019, 09h40