Carreiras

COMPARTILHE

Como achar emprego - Parte 1

Com um pouco de organização e estratégia você aumenta suas chances de encontrar o emprego dos sonhos

Por Paula Pedrosa

20 Jan 2019, 12h49

Crédito: Divulgação

Vamos começar o ano falando de coisa boa: emprego novo e dinheiro no bolso.

Procurar um novo emprego pode ser uma experiência bastante difícil, estressante e trabalhosa. Não tenho como dar (e não existe) fórmula mágica para ajudar conseguir diversas ofertas de emprego. Se você “sair atirando para todos os lados”, sem muito planejamento, pode se tornar ainda mais frustrante.

Com um pouco de organização e estratégia, no entanto, você aumenta suas chances de encontrar o emprego dos sonhos, economiza tempo e ainda tem mais controle sobre os caminhos da sua carreira.

Sim, você pode (e deve) tomar algumas medidas concretas para melhorar suas chances. Vamos a elas:

1- Defina o seu alvo

Antes de sair distribuindo seu currículo por aí, reserve um tempo para pensar sobre o que você quer em termos de carreira. Procure listar todas as características do que seria o “o emprego dos sonhos”: oportunidade de crescimento, escritório perto de casa, benefícios, horário flexível, bom ambiente de trabalho, desafios interessantes…

Saber o que você quer para sua vida profissional ajuda a baixar a ansiedade e, de quebra, descobrir aquelas empresas em que você gostaria de trabalhar. Faça uma lista com pelo menos 20 organizações com as características que você procura e que podem se beneficiar da sua experiência. Elas serão um dos seus alvos!

2- Atualize seu currículo da forma correta

Redija um currículo que contenha informações verdadeiras de sua carreira profissional. Não deve ser muito extenso, mas deve conter informações objetivas e interessantes para a sua área. Resumindo, deve brilhar aos olhos de alguém que busca um profissional em sua área.

Lembre-se de revisar o português e a formatação. Também faça um layout clean e agradável aos olhos, nada cansativo e que precise procurar muito para achar as informações.

Se no seu currículo tiver um erro de português, são vários pontos a menos para você (e talvez nem chamem você para o processo seletivo). Após revisar, peça para que alguém de sua confiança revise. A ideia é que erros sejam encontrados e eliminados antes do envio do seu currículo para as vagas/empresas.

Nota importante: coloque contatos que estejam funcionando e que sejam checados ou atendidos. Evite trocar muito de telefone ou e-mail, pois pode ser que você perca oportunidades por esse motivo. Se você colocar telefone de recados, informe a pessoa que atenderá como proceder caso receba uma ligação.

3- Saiba compartilhar seu currículo

É muito raro hoje em dia currículos serem aceitos em papel, inclusive para vagas operacionais. Então, se você não tem muita intimidade com tecnologia, você precisará trabalhar em cima disso, pois esse é o caminho daqui pra frente.

Atualmente as vagas estão online e os currículos também são enviados por e-mail ou aplicados a vagas em sites. Ainda converso com várias pessoas que querem entregar seu currículo em papel, acreditando ser mais seguro do que enviar por e-mail. Na verdade, é o oposto: currículos em papel podem ser perdidos e jogados fora (por conta de espaço físico), enquanto quando aplicados via computador, podem ser arquivados e buscados posteriormente muito facilmente, além de não acumular em espaço físico.

Se o entrevistador fornecer a você um meio de envio eletrônico do seu currículo, confie e faça. Você inclusive já estará sendo avaliado por ser um profissional atualizado nesses quesitos. Não peça para entregar em papel, você pode perder a sua chance por esse detalhe.

4- Venda seu peixe: redes sociais

Cada vez mais empresas estão usando essa ferramenta para recrutar novos profissionais. E o melhor: você não precisa necessariamente enviar seu currículo para as vagas, você pode ser achado simplesmente por ter um perfil lá. Você pode estar dormindo e alguém estar “caçando” você. Além de ser de graça.

Não podemos deixar de falar do LinkedIn, que é a maior fonte de buscas atualmente. Se você não tem LinkedIn, você pode deixar de ser considerado para muitas boas vagas. Isso é sério! Então, corra nisso.

Contatos e fotos devem ser atuais e profissionais, e a rede deve ser constantemente checada – aproveite para fazer network com pessoas novas. Insira no texto palavras chaves de sua área, uma vez que os recrutadores podem buscar por essas palavras. Muito importante é manter um layout fácil e agradável aos olhos. Só trabalhe com informações verdadeiras.

Outras redes também devem ser bem alimentadas: Facebook e Instagram também são fontes de buscas (e de fases de processo seletivo), principalmente para algumas vagas específicas. Dessa forma, se exponha da forma correta e facilite para ser encontrado.

Dica de ouro: crie uma rotina para atualizar seus dados frequentemente, pelo menos uma vez por mês. Assim seu perfil sempre vai aparecer nas buscas pelas últimas atualizações e você aumenta a chance de ser chamado!

Semana que vem continuaremos com mais quatro dicas para você ter êxito na busca pelo emprego. Mas, não espere até lá. Já vá trabalhando nas dicas de hoje. Mãos à obra!

Bom ano a todos!

Fiquem com Deus!

*Paula Pedrosa é diretora executiva da Paula Pedrosa Headhunter & HR Solutions - email: paula@paulapedrosa.com.br