Opinião

COMPARTILHE

Chegou a hora de demitir?

Faça também sua parte para que o desligado não seja surpreendido com a notícia do desligamento

Por Paula Pedrosa

31 Out 2019, 11h37

Crédito: Divulgação

O ponto de partida para qualquer decisão, seja ela simples ou mais complicada, é traçar os pós e os contras envolvidos a fim de ver qual lado pesa mais. Imagine uma balança: o ponto não é a quantidade de cada lado, mas o valor presente ali. Ou seja, podem existir milhares de prós mas um único contra que é inegociável e vai inviabilizar aquela alternativa. E assim assumimos riscos, calculando-os.

Tão importante quanto uma contratação bem-feita é a demissão em tempo hábil. É papel do gestor ter uma equipe produtiva. Mas, desligar alguém não é tarefa fácil. E, como saber se chegou a hora de demitir?

Sinais que ajudam a identificar este momento

Baixa performance - Assim como atingir a meta 100% do tempo é utópico, não atingir frequentemente é um problema.

Pouco comprometimento com as tarefas - Se o gestor precisa ficar lembrando das tarefas de um colaborador o tempo todo, tem algo errado.

Falta alinhamento com a cultura da empresa – Atente em dois aspectos importantes: 1) O colaborador burla (não aceita) as regras da empresa; 2) O colaborador é resistente as mudanças propostas.

Não evoluir naquilo que foi orientado – O gestor ensinou mais de uma vez e de diferentes formas, mas o liderado não evolui.

E o papel do líder?

Como líder, faça também sua parte para que o desligado não seja surpreendido com a notícia do desligamento. E isso é fácil de fazer: ele vinha sendo orientado a fazer diferente, e como gestor, você colocou energia no seu desenvolvimento? Então, você fez sua parte e ele não será pego de surpresa.

Leia as instruções, ainda que não vá utilizá-las

Se você se encontra em um dos itens de identificação de demissão (ou seja, pode estar chegando a sua hora), ainda dá tempo de mudar!

No mercado de trabalho, ouve-se muito sobre quebrar regras e desafiar o padrão. O que é muito produtivo, mas é importante conhecer o que se quer mudar. Afinal, uma autoridade no assunto de fato consegue identificar o que pode ser aprimorado, o que deve ser eliminado por não ter utilidade, as lacunas e finalmente onde colocar energia.

Já os que nem entenderam ainda o que estão fazendo e mesmo assim rejeitam, vão passar a impressão de ser alguém reativo/rebelde sem causa. Atenção aqui! Esse tipo de comportamento não combina com produtividade e não o ajudará na causa.

Boa semana!

Fiquem com Deus!

Veja Também

Artigo

Você é autoconfiante?

31 Oct 2019, 11h32
Artigo

Wanderley Guilherme dos Santos

31 Oct 2019, 11h44