Empresas

COMPARTILHE

A trilha sonora de uma longa história vitoriosa

Propaganda e música marcam o cenário de 49 anos de história da OANA Publicidade no Amazonas

Por Antônio Parente @antoniomelo05 @JCommercio

08 Set 2019, 11h14

Crédito: Antônio Parente

Toda história tem um cenário e todo sucesso uma trilha sonora. Em 49 anos de atuação no mundo da publicidade, a música e propaganda sempre estiveram presentes na vida e na família do publicitário Edson Gil Costa, diretor presidente da OANA Comunicações. Filho de pai radialista,  jornalista, cantor goleiro do time de futebol da cidade e funcionário público de carreira, o publicitário deixou a pequena cidade de Votuporanga, no interior de São Paulo, para fazer história na atmosfera da publicidade e propaganda no Amazonas.

“A OANA Publicidade foi quem me ensinou a ser tudo que sou. A convivência com meus irmãos e com os profissionais que por ali já passaram deixaram marcas em mim e fizeram construir o homem, pai e profissional que hoje sou”, disse

Em meio a desafios e conquistas, sua história de vida confunde-se com o crescimento da Oana. Tudo começou em 1975, quando aos 17 anos, ele partiu para a grande São Paulo com objetivo de estudar comunicação na FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado). Mas, em meio a difícil decisão de fazer escolhas na juventude para o futuro, sua paixão pela música falou mais alto e o motivou  a transferir sua matrícula para a Faculdade Paulista de Música.

Convencido pelo irmão mais velho Edmar a vir para Manaus, Edson deixou o emprego no departamento de marketing do Itaú em São Paulo para aventurar-se em uma nova jornada empreendedora no setor da publicidade no Amazonas. “A vida sempre reserva surpresas. Meu irmão mais velho Edmar já morava em Manaus, cursava engenharia, era nome famoso no rádio e tinha uma agência de publicidade aberta em 1970. Viajava sempre para São PAulo. Eram dias de faustos para um jovem universitário que, para ajudar nas despesas dava aula de violão em domicílio”, conta.

A trajetória do publicitário e as memórias das lutas e conquistas ganharam espaços até em livros. No Livro intitulado “Música e Propaganda”, o publicitário conta um pouco da trajetória da agência ao longo dos anos ao som de músicas de sucesso nacional desde a década de 1970 aos anos 200. O objetivo da publicação foi resgatar grandes momentos que marcaram a trajetória da empresa, que em maio do próximo ano, vai completar 50 anos.

“Minha intenção nunca foi contar a história da agência, mas sim de destacar seus highlights. O melhor biógrafo da Oana sempre será o Edmar” - Edson Gil Costa

Dentro da obra lançada pelo publicitário “estão relacionadas as 10 campanhas de maior envolvimento da Oana em cada década e as 10 músicas de maior sucesso em cada ano de cada década”.

“Na escolha da seleção musical, apenas do repertório brasileiro, foram incluídos basicamente dois tipos de canções: as que fizeram sucesso ao serem lançadas e as que não obtiveram sucesso, mas, em razão da sua qualidade, acabaram por merecer a consagração popular”, explicou.

A empresa OANA é referência em Manaus nos negócios da comunicação
 

Início de tudo
Em 5 de maio de 1972, Edmar Costa, irmão mais velho de Edson, abre em sociedade com o amigo Jacó Luiz Figueiredo a empresa OANA: Organização e Administração e Negócios do Amazonas LTDA. A Sonora, importante cliente da época, produzia filmes e enviava para a veiculação em mais de 350 cidades do interior do país. Com os incentivos fiscais da ZFM (Zona Franca de Manaus), a empresa iniciou a importação de produtos de audio e video para produzir as peças publicitárias. Nascia na Região Norte do Brasil um novo  formato de agência de publicidade: a agência full (empresa que trabalha todos os aspectos da publicidade).

“Mesmo sem os equipamentos que precisava a agência tinha que sobreviver. Tempos duros de comerciais feitos em sua maioria em película, quando não em sequência de slides com um spot (acetato de 33 rpm) e um locutor narrando o texto cronometrado”, lembra Edson em seu livro “Música e Propaganda”.

Uma das melhores campanhas e slogans da Oana da década de 70 aos anos 200

Indústria Café Manaus - Campanha: O nosso sabor

Sonora - Campanha: Filme grátis. A sonora tem. Vai lá

Sociedade Fogás - Campanha: A chama do conforto em seu lar

Lojas Bemol - Campanha: A sua melhor escolha

Banco do Estado do Amazonas - Campanha: Big Bea

Via Marconi - Campanha: Fiat é aqui

Prefeitura de Manaus - Campanha: Manaus meu Ciúme

Manaus Energia - Campanha: Energia positiva para você

Suframa - Campanha: Interiorização do desenvolvimento

 L. Loureiro - Campanha: É preciso preservar antes que seja tarde demais

PONTO DE VISTA

Edson Gil Costa - Publicitário

Em entrevista ao Jornal do Commercio Edson falou dos desafios da publicidade e propaganda no Amazonas ,e sua atual conjuntura em meio à crise econômica do país. Destacou algumas estratégias adotadas pela empresa para manter-se no mercado e dos desafios ao longo dos próximos anos.

Jornal do Commercio: Como anda o setor de publicidade no Amazonas

Edson Gil Costa: No nosso segmento houve uma diminuição nos serviços. As pessoas não querem comprar por vários motivos: ou ela está sem recursos, não tem de onde tirar ou estar endividado e tem apenas o básico para comer. Há uma incerteza estabelecida e não há consumo. Não adianta baixar o preço e dar desconto, a pessoa não quer. Ela não pode. É hora de retração total. Não adianta anunciar. A não ser que você anuncie a marcar para que as pessoas não esqueçam dela. Mas não adianta, que você não vai vender. Você está fazendo uma manutenção de marca. É o que o Henry Ford falava na segunda guerra mundial. Ele continuava com publicidade, mas ele sabia que não ia vender nenhum carro. Porque as pessoas não tinham dinheiro para comprar um carro. Mas ele queria deixar o nome Ford em evidência, porque na hora que as coisas começassem a mudar o nome da marca estaria na cabeça das pessoas. Isso é uma estratégia de comunicação, e é lógico que com todo um trabalho estratégico. 

Todo segmento foram atingidos por essa crise. As pessoas perceberam que as empresas estavam superlotadas, tinha muita gente fazendo coisas que apenas uma  pessoa poderia fazer. 

JC: Quais as estratégias para manter-se no mercado?

Costa: Redução de custos, cuidar bem das contas e receitas, ampliar a parte de atuação on line, uma exigência do mercado. A mídia online ainda não paga a conta da empresa. Os clientes pensam que a internet é de graça. Não adianta colocar um filme no instagram. Você pensa que está tendo 100 mil visualizações, mas não está. No máximo que o instagram talvez coloque é um mil pessoas e monitora tudo. A não ser que você impulsiona. Tem que pagar. Não há nada de graça. Alguém tem que pagar a conta. 

JC: Quais os principais desafios da profissão: 

Costa: Existe uma categoria de publicitários que vem crescendo nos últimos anos chamados “Houses Agency”, onde o profissional cria um departamento de comunicação dentro de uma empresa e vira uma agência. Lá ele contrata uma dupla criativa e um profissional de mídia. A partir daí, ele não trabalha mais com agência externa. O problema desse modelo de atuação é que o profissional vive apenas um cenário, apenas um assunto, fato que inibe o contato com outros setores e impossibilita ele de abrir a mente para novas criações. O profissional pode até se especializar em um determinado assunto, mas ele acaba se acomoda em um único universo, e a publicidade é um universo dinâmico de várias possibilidade.  Quando a diversidade de público eu consigo pensar de forma clara e mais arejada porque eu estou fora daquele casulo. O mix de cliente é importante para o crescimento profissional. 

Uma agência de publicidade é formada pelo setor criativo o redator responsável pela parte escrita e o diretor de arte, um mais habilidoso no texto e outro mais habilidoso nas artes, o profissional de mídias responsável pela programação nos veículos de comunicação e pesquisa onde determinado vídeo vai ser veiculado, pois ele conhece o público do cliente e de cada meio de comunicação, além da equipe de produção que acompanha o processo das ideias veiculadas.

Veja Também

Dica da Semana

Momento sofisticado entre vinhos e carnes

08 Sep 2019, 11h32