Polo Industrial de Manaus

COMPARTILHE

Entidades vislumbram expectativa positiva com primeira reunião do CAS

Por Andréia Leite

24 Jul 2019, 11h55

Crédito: Divulgação

A vinda do ministro da Economia, Paulo Guedes, que presidirá a primeira reunião do CAS (Conselho de Administração da Suframa), do ano,  na próxima quinta-feira, (25), surge como oportunidade para que os dirigentes e representantes ligados ao PIM (Polo Industrial de Manaus), aparem as arestas e aproveitem a ocasião para a abertura do diálogo e o amplo consenso sobre o modelo ZFM. 

O presidente do Cieam (Centro das Indústrias do Estado do Amazonas), Wilson Périco, a presença traz otimismo e expectativa para representantes da indústria. Ele considera que o momento é de avanço para o Estado e, mais do que atenuar diferenças, a presença de um presidente da República na reunião, é um momento ímpar, fato que não acontece desde a época da gestão do ex-presidente Lula.

Além disso, conforme Périco, a oportunidade não deixa de ser uma aproximação para que o ministro Paulo Guedes conheça mais a fundo o modelo ZFM. “É uma das demandas mais pontuais. A questão da segurança jurídica, a autonomia da Suframa e os PPBs, serão algumas frentes relacionadas ao modelo, que pretendemos apresentar ao ministro”. 

Para o titular do Cieam, é muito difícil estabelecer um conceito quando nao conhece. Se posicionar em cima de uma decisão quando só se observa um lado da moeda não é válido, “E esse é o momento de apresentarmos o que conhecemos do modelo”. 

O ministro Paulo Guedes, sempre se manifestou contra o modelo ZF, demonstrando por diversas vezes a insatisfação em relação aos incentivos fiscais do PIM. Em muitas ocasiões foi duramente criticado por lideranças políticas locais e por entidades representativas do setor produtivo. 

Para desconstruir a ideia do ministro,  de que o modelo ZFM, não é de renúncia fiscal e sim de incentivo, o vice-presidente da Fieam, Nelson Azevedo, reitera que é importante que Paulo Guedes veja com os próprios olhos o tamanho que esse modelo representa não apenas para a região, mas para o Brasil. “Nós acreditamos que é a visita é um momento bom. E será marcada de êxito para nós e para a Zona Franca de Manaus. Sei também que será momento de propor algumas coisa. Pela primeira vez todas as entidades e setores estão alinhados em apaziguar qualquer diferença e harmonizar o diálogo”. 

Nelson Azevedo declarou ainda que a expectativa não é apenas em torno dos projetos que serão aprovados, mas de outras pautas, como  a BR-319, e a portaria dos PPBs, dando mais agilidade para a entrada de novos projetos.

“Eu acredito que é um momento muito oportuno. A gente espera que as coisas melhorem e a economia tenha um movimento favorável. A ZF sofre restrições ao modelo desde a década de 70 com várias dificuldades. O ministro vai ver que o modelo é uma realidade”. 

Ele disse ainda que o ministro com certeza vai observar que aportar recursos para o Estado traz outras consequências. Porque o modelo econômico é o grande colaborador para que as coisas aconteçam. E que isso pesou, inclusive, no  acordo entre a União Europeia e o Mercosul. “O modelo é uma das razões da preservação ambiental que deve ser mantido”. 

Ele justifica ainda que as empresas como a Moto Honda tem mais de 900 revendas de motos, composta por 12 a 15 pessoas dentro destes postos de trabalhos, ou seja, é uma grande detentora de emprego. “Nossa matérias primas e bens intermediários é muito grande e temos ainda uma grande rede de fornecedores. É insensatez pensar de outra forma. Essa é uma cadeia envolvida na economia que tem que ser avaliada, não chegar e dizer que vai acabar, uma atitude,  pode causar efeito negativo para o país. Nós não podemos ser tratados como desiguais, com uma logística complexa, que onera a produção. Precisamos manter nossa política incentivos fiscais”. 

Ele finalizou declarando que a vinda do presidente, todos os olhos estarão voltados para o Amazonas e garante que sairão daqui com uma ótima impressão. 

US$ 626 milhões em investimentos 

A 287ª Reunião Ordinária, do CAS,  prevista para acontecer nesta quinta-feira (25), a partir das 10h, no auditório da SUFRAMA vai analisar 88 projetos industriais, sendo 26 de implantação e 62 de ampliação, atualização ou diversificação. Juntos, os projetos somam US$ 626.917 milhões em investimentos totais nos primeiros três anos de funcionamento das linhas de produção, com a geração de 3.545 novos postos de trabalho e previsão de faturamento na ordem de US$ 3.605 bilhões no mesmo período.

Serão avaliadas ainda alterações nos três principais marcos regulatórios referentes à implantação de projetos industriais e agropecuários que, de acordo com o superintendente Alfredo Menezes, deverão trazer mais agilidade no trâmite dos processos e simplificação e desburocratização de procedimentos. 

Também foi submetida ao CAS as alterações da Resolução nº 203/2012, que dispõe sobre apresentação, análise, aprovação e acompanhamento de projetos industriais aprovados no Conselho de Administração da Suframa. Segundo o superintendente, a nova proposta dará maior celeridade na aprovação de projetos industriais e na eventual concessão de limites adicionais para importação de insumos. “Os projetos industriais passarão, em sua maioria, a serem aprovados no âmbito da própria SUFRAMA e depois comunicados ao CAS, bem como apresentados de forma simplificada para a análise da Autarquia”, explicou. 

Destaques

Entre os projetos industriais de implantação, que representam efetivamente a abertura de novas empresas no Polo Industrial de Manaus, destaca-se a iniciativa da Yellow Indústria e Comércio de Equipamentos de Mobilidade LTDA, que apresentou projeto para produzir patinetes e bicicletas elétricas, com investimento total maior que US$ 12 milhões e expectativa de geração de 206 empregos. A Yellow é a maior prestadora de serviços aluguel de patinetes e bicicletas elétricas do Brasil, presente fortemente nas grandes capitais. 

Outro destaque na implantação é a EPA (Empresa de Plástico do Amazonas), que apresenta projeto para fabricação de resinas plásticas com investimento total de mais de US$ 50 milhões e geração de 182 novos postos de trabalho, consolidando o segmento e o adensamento da cadeia produtiva do PIM.

Já nos projetos de ampliação, diversificação e atualização, podem ser citadas como destaques as proposições da Flex Importação, Exportação, Indústria e Comércio de Máquinas e Motores, para ampliar a fabricação de modem com investimento total de mais de US$ 12 milhões e geração de 94 postos de trabalho; e a Bridge Indústria de Produtos Plásticos da Amazônia, que apresentou projeto de diversificação para a fabricação de laminados plásticos, com investimento total de mais de US$ 30 milhões e com a geração de 106 novos empregos. Os produtos fabricados pela Bridge utilizam a matéria-prima regional do óleo de andiroba, que traz benefícios para cerca de quatro mil pessoas dos municípios do interior do Amazonas.

Saiba mais

A indicação de Paulo Guedes para presidir o Conselho Administrativo da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) foi publicada no decreto 9.912, do dia 10 de julho, mas já era prevista pelas regras da autarquia, que estabelecem que o presidente do Conselho Administrativo da Suframa (CAS) deverá ser o titular do ministério ao qual a superintendência está subordinada. 

Com a reforma ministerial, coube ao Ministério da Economia a missão de gerir o programa, que, desde o início do governo Bolsonaro, vem sendo alvo de críticas de economistas e membros da atual equipe econômica. O principal argumento é que são gerados poucos empregos a um preço alto.

Veja Também

Frente & Perfil

O que espera Bolsonaro

24 Jul 2019, 11h37